A concepção de ética de Paul Ricoeur: tensão entre teleologia e deontologia Show all records where Título is equal to A concepção de ética de Paul Ricoeur: tensão entre teleologia e deontologia
Jeferson Flores Portela da Silva
Tatiane de Fátima da Silva Pessôa Show all records where Autor is equal to Tatiane de Fátima da Silva Pessôa
UFSM Show all records where Instituição is equal to UFSM

Este artigo tem por objetivo elucitar analisar a relação entre duas tradições ocidentais filosóficas: teleologia e deontologia. Objetiva fazer um mapeamento de alguns conceitos utilizados por paul Ricoeur, em especial, na obra Soi-même comme un autrê de 1990, onde o filósofo faz apresenta essa problemática justificando seu projeto ético. Desses conceitos, estaremos analisando a noção de estima a si (Arsitóteles) e de respeito a si (Kant), além dos três momentos dialéticos da ética de Ricoeur, que passa do viver bem enquanto uma vida boa, para o momento de viver com o diverso do si, até chegarmos nas instituições justas, coroando assim, uma ética do movimento hermenêutico fenomenológico ricoeuriano. Palavras-chave: Instituições justas. Si mesmo. Ética. Deontologia. Teleologia. 1 Introdução Tomamos em conjunto, nesse trabalho, duas dimensões prática da ipseidade ricoeuriana, a saber, a noção deontológica e a noção teleológica. Tais dimensões tem o seguinte problema: seria possível admitir que uma filosofia de cunho ética mantém primazia sobre a moral? É realmente aceitavel que na filosofia de Paul Ricoeur tenha sua ética uma força maior sobre a norma moral da conduta da ação humana e assim uma garantia de dar a última palavra? Sobre essa tensão entre ética e moral que nosso problema de estudo se relaciona, entre duas noções de bem viver do homem (ética e moral), também denominados aqui por predicados -bom- ou -obrigatório- (teleologia e deontologia). Para a filosofia hermenêutica ricoeuriana, qual seria então o papel dessas duas tradições em sua filosofa? Como relacionar elas e de que maneira isso viria a contribuir para seu projeto filosófico de uma -pequena ética-? Tais questões podem ser melhor explicadas quando se estuda o projeto ético de Ricoeur na obra Soi-même comme un autrê (1990), nos Estudos Sétimo, Oitavo e Nono . Pelo itinerário ricoeuriano, a visada ética enquanto -uma vida boa- precede a moral porque o mundo pré-reflexivo discursivo ou mundo da vida ética é anterior ao sujeito racional. Esse problema do mundo sendo anterior ao homem já esta presente na Fenomenologia de Merleau-Ponty, onde se apresenta a percepção como a primeira porta de entrada para o mundo do saber, da racionalidade, da vida . Porém, por uma questão de método, nossa análise de estudo se voltará para a problemática do homem ético em Ricoeur. Nossa temática terá como tema-objeto a investigação dos Estudos Sétimo (Le soi et la visée éthique) e Oitavo (Le soi et la norme morale). A ideia de se abordar apenas esses dois Estudos na obra de Ricoeur de 1990 se configura em ter neles a primazia da visada ética sobre a moral kantiana, no entanto, estaremos verificando até que ponto a ética de Ricoeur não sofre de uma dependência da norma moral. 2 Duas heranças ocidentais: percurso com Kant e Aristóteles Na abertura do prefácio de Soi-même comme un autrê (1990), Paul Ricoeur introduz quatro subconjuntos que vão responder as problemáticas do si mesmo enganjado no mundo. Esses subconjuntos, são problemáticas livres, tendo cada uma sua autonomia, ou seja, quatro maneiras de responder à pergunta quem?: quem fala? quem age? quem se narra? quem é o sujeito moral de imputação? (RICOEUR, 1990, p. 28-31).

FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA Buscar Grupo igual a FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
Dia 22 | Segunda | Sala 9| 13:30-14:00
CEFD
22/10/2018
FaLang translation system by Faboba