A Arte E Seu Discurso Livre Sobre O Mundo: A Verossimilhança E A Linguagem Indireta na Arte Show all records where Título is equal to A Arte E Seu Discurso Livre Sobre O Mundo: A Verossimilhança E A Linguagem Indireta na Arte
Matheus Marcus Gabriel Mellado Show all records where Autor is equal to Matheus Marcus Gabriel Mellado
UEM Show all records where Instituição is equal to UEM

Ao observarmos a história da arte, o conteúdo e a forma dos objetos artísticos passaram por inúmeras alterações. Por mais variadas que sejam as artes, a partir de suas inúmeras variações e gêneros artísticos, percebemos algo significativo em seu desenvolvimento no ocidente: temos um longo período onde a arte seguiu um cânone, contendo direcionamentos para a criação artística, e momentos de ruptura, na contemporaneidade, a partir dos movimentos de vanguarda do século XIX. Apesar disso, podemos afirmar que em toda manifestação artística há algo invariável, pois todos os artistas possuem, em primeiro lugar, uma intencionalidade – ou seja, retratam ou salientam um aspecto específico do Ser ou da realidade que os circundam e, em segundo, uma liberdade – ou seja, mesmo inseridos em cânones, os artistas sempre tiveram a possibilidade de significar suas obras a partir de suas próprias concepções. Portanto, a arte se dá como uma atividade livre que busca formular um sentido ao mundo. Vamos examinar estes dois elementos, intencionalidade e liberdade, a partir dos conceitos de dois autores, Aristóteles e Merleau-Ponty. O primeiro formulou um dos primeiros tratados sobre arte da história ocidental, explicitando que a arte é mimesis, no caso da tragédia, isto é, descreve a ação através dos caracteres das personagens a partir da verossimilhança com a realidade. Já o segundo autor retratou a arte, após os movimentos de vanguarda no século XIX, como fundamentada pela expressão e por sua capacidade de significar o mundo a partir de uma linguagem indireta (na literatura) ou pelas vozes do silêncio (nas artes plásticas) – o que significa dizer que os artistas criam obras que não têm a intenção voltada para uma ideia de natureza, mas que desejam oferecer uma perspectiva do mundo vivido em sua dimensão pré-objetiva e informulada isto é, não reduzida a conceitos. Será a partir das concepções desses dois autores que iremos explicitar que a arte sempre se funda numa intencionalidade e numa liberdade (ou autonomia) que o autor possui para retratar a realidade através de seu ponto de vista. Trata-se de mudanças no cenário artístico, mas também no contexto geral representado pela ciência, pela moral e pela religião (conceitos metafísicos). A verdade, o bem, o belo, entre outros conceitos, também estão presentes no contexto artístico. Essencialmente, o que queremos tratar em nossa pesquisa é que as rupturas da história da arte – em que pese a verossimilhança (para Aristóteles) e a linguagem indireta (para Merleau-Ponty) – não são absolutas, mas efeito do trabalho da arte.

Filosofia francesa contemporânea Buscar Grupo igual a Filosofia francesa contemporânea
Dia 24 | Quarta | Sala 4|16:45-17:15
ED
24/10/2018
FaLang translation system by Faboba