Frutos não vingados e laços que vingam
Escola As Pensadoras
pensadoras.online@gmail.com

Em Calibã e a bruxa, Silvia Federici mostra que o surgimento do capitalismo se deu às custas da destruição do poder das mulheres sobre seus próprios corpos e dos laços comunais que as unia. No século XVI, a política de cercamento de campos, ou a expropriação das terras comunais do campesinato, não significou senão uma política de cercamento dos corpos das mulheres: o estupro foi legalizado, o útero foi controlado e transformado em uma máquina para reprodução da força de trabalho. Centenas de milhares de mulheres, acusadas de “crimes reprodutivos”, foram queimadas como “bruxas”. Diante da misoginia e da destruição da sociabilidade feminina em que se estrutura o capitalismo, como podemos pensar linguagens que tecem uma comunidade que vinga a vida de mulheres historicamente esquecidas, violentadas e assassinadas?

 

Ministrante: Profa. Dra. Danielle Magalhães

Mediação: Dra. Rita de Cassia Fraga Machado
Datas e horários: 19 e 26 de setembro, das 9h às 11h30
Inscrições até 18 de setembro.

Taxa de inscrição: R$35 para estudantes e R$50 para profissionais.

 


19 Sep 2020 > Ocorrido há 42 dias
19 Sep 2020 - 26 Sep 2020
Could not open URL
FaLang translation system by Faboba