Lançamento do livro: "Extramundanidade e sobrenatureza: ensaios de ontologia infundamental"

convite marco

"Extramundanidade e sobrenatureza: ensaios de ontologia infundamental" (Cultura e Barbárie, 2018).
Marco Antonio Valentim
Programa de Pós-Graduação em Filosofia/UFPR
Departamento de Filosofia/UFPR
Professor Associado II

Link para a página do livro na editora: https://www.culturaebarbarie.com.br/product-page/extramundanidade-e-sobrenatureza-ensaios-de-ontologia-infundamental

Link para o evento no facebook: https://www.facebook.com/events/1859393277691208/

Link para o evento no blog do Species - Núcleo de Antropologia Especulativa/UFPR: https://speciesnae.wordpress.com/2018/06/12/extramundanidade-e-sobrenatureza-lancamento-em-curitiba/

Cancelamento de Inscrição no XVIII Encontro Nacional da Anpof

Para solicitar estorno fincanceiro de trabalho recusado ou cancelamento de inscrição para trabalho aceito, favor entrar no site da EventSys: https://eventsys.freshdesk.com/support/tickets/new

Preencher:

Requester : e-mail (conforme a inscrição)
Nome: (cadastrado conforme a inscrição)
Subject: Estorno Financeiro - XVIII Encontro Anpof
Description:
Solicito o cancelamento e estorno da inscrição
 
Nome:
CPF ou CNPJ:
Título do Trabalho:
Instituição:
Dados para depósito: Banco, Agência e Conta
Segue comprovante de pagamento em anexo
Para verificar o status da solicitação acesse: https://eventsys.freshdesk.com/support/home (verificar status do ticket)

 

Sobre a devolução do valor da inscrição

No caso de trabalhos recusados após o pagamento das inscrições a ANPOF devolverá 80% do valor pago pelo pesquisador.

O pesquisador que efetuou o pagamento de inscrição mas teve o trabalho recusado, também poderá optar por participar do Encontro como Ouvinte, sem a apresentação de trabalho. Para estes casos não há necessidade de estorno ou novo pagamento. Basta informar à EventSys o desejo de participar como "Ouvinte".

Nos outros casos de desistência, será devolvido 50% do valor desde que solicitado até 30 dias antes do início do XVIII Encontro.

* Para inscrições pagas em dinheiro ou parcela única de cartão de crédito, o estorno é imediado.
**Para inscrições parceladas, o estorno aguardará a quantidade de parcelas restantes para ser finalizado.

Lançamento do livro: "Rainer Forst e o direito à justificação: sobre a dialética entre igualdade e diversidade nas democracias"

61cd4bded1cd3f638c2edb1b387a6dc2d24b44f8

Rainer Forst e o direito à justificação: sobre a dialética entre igualdade e diversidade nas democracias

ISBN: 978- 85-525-0052-0
Formato: 14x21
N° de páginas: 326
Autora: Marcela Borges Martinez
Editora: Publit - 2018

Descrição: Um dos principais desafios da democracia é garantir a realização da justiça em face do pluralismo das sociedades modernas. Como se conciliar a diversidade social, ética e política e a igualdade garantida pelo estado democrático de direito? Rainer Forst argumenta que a reivindicação por justiça é a reivindicação por justificação, isto é, a reivindicação por não ser governado arbitrariamente. Nesse sentido, uma estrutura básica da sociedade justificada discursivamente e democraticamente espelharia a realização da justiça. No procedimento deliberativo, o conceito moderno de tolerância desempenha um papel fundamental. Portanto, uma teoria da democracia deliberativa não seria possível se não apresentasse uma concepção de tolerância procedimental, assim sendo, esta obra reserva um espaço especial ao estudo dessa categoria.

Link para o site da editora: http://www.publit.com.br/livraria/produto/716/rainer-forst-e-o-direito-a-justificacao-sobre-a-dialetica-entre-igualdade-e-diversidade-nas-democracias

Lançamento do livro: "Extramundanidade e sobrenatureza: ensaios de ontologia infundamental"

convite marco

"Extramundanidade e sobrenatureza: ensaios de ontologia infundamental" (Cultura e Barbárie, 2018).
Marco Antonio Valentim
Programa de Pós-Graduação em Filosofia/UFPR
Departamento de Filosofia/UFPR
Professor Associado II

Link para a página do livro na editora: https://www.culturaebarbarie.com.br/product-page/extramundanidade-e-sobrenatureza-ensaios-de-ontologia-infundamental

Link para o evento no facebook: https://www.facebook.com/events/1859393277691208/

Link para o evento no blog do Species - Núcleo de Antropologia Especulativa/UFPR: https://speciesnae.wordpress.com/2018/06/12/extramundanidade-e-sobrenatureza-lancamento-em-curitiba/

Lançamento do livro: "Origens da Fenomenologia: o desenvolvimento inicial da filosofia de Edmund Husserl"

capa site fenomenologia 388x608

"Origens da Fenomenologia: o desenvolvimento inicial da filosofia de Edmund Husserl" 
Carlos Vargas, doutor em filosofia pela PUC-PR e analista do IBGE

As ideias de Edmund Husserl (1859-1938) são, por assim dizer, atemporais. Elas significaram uma inovação filosófica no final do século XIX e um estímulo à filosofia em boa parte do século XX. Husserl foi não somente um lógico e matemático, mas, sobretudo, um filósofo. Ser filósofo é ser alguém que busca as origens do saber, as formas primitivas do conhecimento em vista de uma compreensão ampla da realidade. Foi precisamente essa a tarefa de Husserl quando se aproximou da matemática: desejava saber sobre como é possível que operemos com números e de que forma se poderia aplicá-los a objetos reais. Evidentemente essa busca inicial, no âmbito da matemática e depois da lógica, sofreu várias modificações. 

Husserl, neste sentido, foi um pensador que aprimorou suas ideias sem, no entanto, romper com o conjunto de sua produção filosófica. Suas ideias, tanto nas ciências, tidas como exatas, quanto nas ramificações da filosofia, como é o caso da fenomenologia, continuam atuais. Aliás, Husserl, neste sentido, é um pensador "fertilizante". Ao lê-lo, de alguma forma, nossas ideias desabrocham, qual semente em solo adubado e fértil.

O livro de Carlos Vargas, situado nesse espírito, que torna nossas ideias cada vez mais férteis, possui pelo menos dois importantes méritos: por um lado é uma obra que expõe o modo como Husserl desenvolveu suas ideias, inicialmente matemáticas e lógicas e, posteriormente, fenomenológicas; e por outro lado, é um livro que apresenta as fases do pensamento husserliano sem, no entanto, dividi-lo enquanto pensador.

No mais, o que resta agora é degustar a leitura. Mas sem pressa. Um texto filosófico só é digerido com densidade se a mastigação for lenta, palavra por palavra. Lendo assim, só poderemos experimentar, entre as muitas sensações, aquele prazer de uma leitura que aguça o pensamento, amplia nossa visão de mundo e nos deixa perplexos, com mil dúvidas à mente. Um texto filosófico, assim pensado, não é aquele que oferece muitas respostas ou uma variedade de informações. Isso os jornais já fazem com maestria. Um texto filosófico nos desperta questões, fazem-nos enxergar novas perguntas e estimula, para além da leitura apressada, uma reflexão lenta e sólida. É com esse espírito de solidez que o leitor deve se aproximar do livro "As origens da Fenomenologia: o desenvolvimento inicial da filosofia de Edmund Husserl", de Carlos Vargas."

O livro pode ser adquirido na livraria Multifoco, pela internet: https://editoramultifoco.com.br/loja/product/origens-da-fenomenologia/

 

Lançamento do livro: "Wittgenstein nas Américas: Legado e Convergências"

0001

0002

Em Wittgenstein nas Américas: legado e convergências, autores de seis países apresentam reflexões sobre a obra de Wittgenstein, nos âmbitos da ética, da estética, da psicologia, da linguagem, do conhecimento e da metafísica. Buscam também aplicações do espírito da filosofia wittgensteiniana e seus conceitos operatórios a questões atuais, extrapolando o seu alcance original e tensionando a sua recepção. Isso é feito em diálogo com a hermenêutica, a fenomenologia, a psicanálise, a desconstrução, o pirronismo e o platonismo antigos e, mesmo, a filosofia prática.

Organizador: Prof. Dr. Rafael Lopes Azize

Informações adicionais sobre o livro
Número de páginas: 328 p.
Ano: 2018
ISBN: 978-85-232-1692-4
Formato: 17 x 24 cm
--
Marina Matos
Assessoria de Comunicação
Editora da Universidade Federal da Bahia
Telefone e fax: (71) 3283-6160
www.edufba.ufba.br | imprensaedufba@ufba.br

Nota sobre entrevista concedida por António Coutinho à Folha de São Paulo

Em recente entrevista à Folha de São Paulo (2 de junho de 2018), António Coutinho, médico imunologista português, diretor do Instituto Gulbenkian de Ciência afirmou que a filosofia estava fadada a desaparecer, pois não progredia (como as ciências naturais , por exemplo). Espantamo-nos com essa comparação e mais ainda com a desnecessária confrontação, como se para que uma pudesse crescer, a outra tivesse de diminuir. Comparar ciência com filosofia e usar o progresso como critério para avaliar a sobrevivência ou não de uma disciplina é, no mínimo, uma enorme simplificação. Filosofia não é ciência nem tem a pretensão de ser. Ela reflete e problematiza o conhecimento, as relações políticas, a própria ciência, os limites éticos e morais, o sentido da beleza. Enquanto tivermos disposição crítica e dialógica, haverá filosofia. A filosofia só está ameaçada quando se instala um regime autoritário que impede o livre pensamento.  Parece -nos bastante sintomático que a filosofia seja alvo de ataques nesse exato momento em que assistimos a um recrudescimento do conservadorismo político, num momento de crise econômica, política e institucional . A filosofia não é ciência, nem pretende ser, não está preocupada com o “progresso“ em sentido linear, mas sim com o avanço da capacidade de crítica, de compreensão da complexidade e contradição das relações sociais e políticas, dentre outros assuntos fundamentais.

ANPOF 2017/2018




Lançamento: "Comentários sobre a Antropologia de um ponto de vista pragmático de Kant"

Comentários 188x300

O Centro de Investigações Kantianas (CIK), vinculado ao Programa de Pós-graduação em Filosofia da UFSC, divulga o lançamento do livro “Comentários sobre a Antropologia de um ponto de vista pragmático de Kant”, organizado pela professora Maria de Lourdes Borges e publicado pela NéfipOnline. A obra reúne contribuições em português sobre a análise da Antropologia kantiana, compostas em sua grande maioria por pesquisadores brasileiros e pela filosofa espanhola Nuria Sanchez. Elas abordam uma variedade de temas, bem ao gosto das preleções kantianas, indo desde o estudo de afetos e paixões até a música e a imaginação, passando por questões de gênero. Não faltam também análises sobre a estrutura mesma da Antropologia e seu locus na filosofia crítica kantiana.

Para baixar o livro basta acessar o site do CIK:

http://www.cik.ufsc.br/

Boas leituras!

Mais artigos...

FaLang translation system by Faboba