You have 0 articles to compare. Do you want to see compare view now?


Compare

Edith Stein e o Círculo de Gotinga

 

Apresentação 

O GT reúne os interessados pelo pensamento de Edith Stein e/ou dos membros daquele que ficou conhecido como Círculo de Gotinga (alunos e colegas de Edmund Husserl, entre eles Adolf Reinach, Alexandre Koyré, Dietrich von Hildebrand, Hans Lipps, Hedwig Conrad-Martius, Jean Hering, Max Scheler, Moritz Geiger, Roman Ingarden, Theodor Conrad). Na história da fenomenologia, não é raro encontrar referências a esses pensadores como “realistas”. Com efeito, o debate sobre o idealismo ou o realismo de Husserl caracterizou o trabalho de alguns desses autores desde os tempos em que foram seus alunos em Munique, como é o caso especialmente de Edith Stein e Hedwig Conrad-Martius. Preocupava o risco de a fenomenologia não “voltar à realidade” ou de não dizer claramente se ao ser do noema corresponde algum ser fático. Todavia, pelo menos a filosofia desenvolvida por Edith Stein não parece uma defesa do realismo. Sua insistência na intencionalidade, na empatia (Einfühlung) e na comunicação intersubjetiva atesta o caráter de sua fenomenologia, relativizando mesmo a pertinência da alternativa entre idealismo e realismo. Tais parecem ser as bases de sua filosofia, bases essas lançadas no tempo em que foi assistente de Husserl e amadureceu pelo convívio pessoal com alguns membros do Círculo de Gotinga (especialmente Adolf Reinach, Hedwig Conrad-Martius e Max Scheler) e pelo estudo de autores medievais (sobretudo Tomás de Aquino e Duns Escoto). Esse momento privilegiado de debate intelectual e aprendizado existencial permitiu-lhe conhecer diferentes experiências que tematizará ao longo de sua breve vida, interrompida pelo nazismo em 1942. Entre os temas que mais lhe interessaram estão a empatia (definida como experiência da consciência alheia), a psicologia e as ciências do espírito, a ciência moderna, a constituição do indivíduo, da comunidade e da sociedade, a crítica das noções de massa e povo, a ideia de formação e de pedagogia, a experiência mística e a literatura. A orientação de Edith Stein não será a única no interior do Círculo de Gotinga. Hedwig Conrad-Martius, por exemplo, adotará tons mais duros com relação ao que ela considerava o risco idealista ao qual se expunha Husserl. Mantendo-se em continuidade com a fenomenologia do mestre, Conrad-Martius interessava-se sobremaneira pela realidade do dado objetivo. Dessa perspectiva, tinha em alta consideração o discurso das ciências particulares, sobretudo da Biologia, como meio de investigação da constituição dos objetos. Caso inteiramente peculiar, nesse contexto, foi o de Max Scheler, que talvez sequer pudesse ser chamado, sem nuances, de fenomenólogo. O GT visa, então, acolher as pesquisas sobre esse período da história da fenomenologia e pesquisas de tratamentos de temas filosóficos da atualidade que se inspirem diretamente desse período.

Justificativa

O interesse pelo pensamento de Edith Stein e do Círculo de Gotinga tem crescido durante a última década no Brasil. Há trabalhos de doutorado e mestrado em andamento em diferentes universidades do país, além de pesquisas de iniciação científica e monografias de conclusão de curso. Também tem aumentado o número de colegas, docentes de instituição de ensino superior e membros de programas de pós-graduação, interessados pelo pensamento de Edith Stein e do Círculo de Gotinga não apenas em função de sua importância na história da fenomenologia, mas também de suas contribuições que continuam referências válidas para o tratamento de temas filosóficos atuais. A originalidade do tratamento dado por esses autores a temas e problemas deixados por Husserl já é algo reconhecido desde os anos 1960 em várias universidades europeias e norteamericanas. Além disso, Edith Stein e alguns dos membros do Círculo de Gotinga têm sido lidos também por pesquisadores brasileiros de destaque na área de psicologia e ciências humanas em geral, permitindo clara e intensa interdisciplinaridade. A criação do GT reconhece esse interesse crescente e fornece aos pesquisadores o suporte essencial que sabemos implicar o reconhecimento dado pela ANPOF.

 

MEMBROS FUNDADORES DO GT EDITH STEIN E O CÍRCULO DE GOTINGA

 

Núcleo de sustentação do GT

Juvenal Savian Filho (Unifesp) – Coordenador

Gilfranco Lucena (UFPB)

Martina Korelc (UFG)

Ursula Matthias (UFC)

Francesco Alfieri (Università Lateranense di Roma)

 

Membros Docentes e Pós-Graduandos

Acacia Maria Dias Pereira (participante sem vínculo universitário)

Antônio Pedro M de Oliveira (Univ. Fed. do Reconc. Baiano)

Clio Francesca Tricarico (Unifesp)

Bortollo Vale (UFPR)

Eduardo Dalabeneta (Faculdade Dehoniana – Taubaté)

Elton Quadros (Univ. Estadual do Sudoeste da Bahia)

Francisco Lisboa (Universidade de Coimbra – Portugal)

Kátia Gardênia (Faculdade Rainha do Sertão – Quixadá – CE)

Maria Cecília Isatto Parise (Unifesp)

Maria Célia dos Santos (UECE)

Mariana Bar Kusano (Unifesp)

Mariano Crespo (Instituto Cultura y Sociedad de la Universidad de Navarra - Espanha)

Marly Soares (UECE)

Moisés Rocha Faria (Faculdade Rainha do Sertão – Quixadá – CE)

Rudimar Barea (UFSM)

Silvestre Grzybowski (UFSM)

FaLang translation system by Faboba

Grupos de Trabalho