Em cerimônia, Diretoria da ANPOF encerra o XVII Encontro Nacional

2

Foto: Lucivânia Santos

A diretoria da Associação Nacional de Pós-Graduação em Filosofia (ANPOF) realizou, no início da tarde desta sexta-feira, 21, a cerimônia de encerramento do XVII Encontro Nacional, que acontece há 32 anos. Compuseram a mesa o coordenador local do evento,

Antônio Carlos dos Santos, professor da Universidade Federal de Sergipe (UFS), o atual presidente da ANPOF, Marcelo Carvalho, professor da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e o membro da diretoria, Adriano Brito, professor da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS).

Para Carvalho, “a realização deste evento resulta do empenho extremamente dedicado de um grupo enorme de pessoas, uma vez que organizar um evento desta dimensão é um empreendimento extremamente delicado”. O presidente não poupou elogios aos que contribuíram na organização desta edição, começando pelo professor Antônio Carlos, que segundo ele, “colocou a organização deste evento ao longo do último ano inteiro no centro de suas atividades e que fez toda a mediação e negociação com o governo do estado, prefeituras, empresas e grupos que se apresentaram ao longo da semana”.

Os agradecimentos seguiram-se ao reitor da UFS, Angelo Roberto Antoniolli, que, de acordo com Carvalho, “teve um empenho fundamental na viabilização para que se realizasse aqui esse encontro”. Ele enfatiza ainda que o esforço e a disponibilidade de Antoniolli na organização do evento possibilitaram que a ANPOF fosse para dentro do espaço da universidade pública, o que, para ele, é um valor fundamental conquistado. 

A gratulação estendeu-se ao Departamento de Filosofia da UFS, aos monitores, ao professor de Filosofia da UFS, Evaldo Becker, que coordenou o trabalho de monitoria, e a professora de Jornalismo Michele Becker, coordenadora da equipe de comunicação, que cobriu esta edição e que produziu, segundo ele, “uma grande e relevante quantidade de material que vai estar à disposição e que é um registro histórico importante do evento”. A iniciativa de integrar os demais departamentos e estudantes de outros cursos no evento também foi parabenizada.

Marcelo divulgou que foi aprovado, nas duas assembleias gerais realizadas nesta semana, que reúne os programas de pós-graduação filiados à associação – atualmente são 48 associados –, a elaboração de um documento de manifestação da ANPOF, intitulado como Carta de Sergipe. Nele consta uma nota de repúdio, lançada pela comunidade acadêmica filosófica reunida em Aracaju, por razão deste Encontro, contra “o modo autoritário e avesso ao diálogo como têm sido tratadas as questões ligadas à educação e à pesquisa no Brasil”. São repudiados, por exemplo, a Medida Provisória nº 746/2016, que visa reformular o ensino médio brasileiro, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) n°241/2016, conhecida como PEC do Teto, que visa congelar os gastos públicos por 20 anos e os cortes em educação e pesquisa.

Além do fechamento feito pela atual diretoria da ANPOF, foi realizada apresentação do Prêmio ANPOF, que visa homenagear as melhores dissertações e teses do biênio. A dissertação de mestrado campeã foi a de Cassiana Lopes Stephan, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), orientada e coorientada, respectivamente, por André de Macedo Duarte e Inara Zanuzzi, com o título “Michel Foucault e Pierre Hadot sobre a concepção estóica do si mesmo”. Intitulada “A matemática das Philosophische Bemerkungen: Wittgenstein no contexto da Grundlagenkrise”, a tese de doutorado de Anderson Luis Nakano, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), orientada por Bento Prado de Almeida Ferraz Neto, foi a vencedora de sua categoria.

Receberam menções honrosas a dissertação de Rafael Bittencourt dos Santos, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), intitulada “O ceticismo no Tratado da natureza humana: uma abordagem a partir da discussão sobre a distinção entre qualidades primárias e secundárias” e orientada por André Nilo Klaudat, e a tese de Fábio Mascarenhas Nolasco, da Universidade de Campinas (UNICAMP), sob orientação de Marcos Lutz Müller, com o título “A suspensão qualitativa da quantidade: A crítica de Hegel ao paradigma matemático da ciência moderna”.

Após agradecer aos 37 membros que participaram do processo de avaliação do prêmio, Marcelo apresentou a nova gestão da ANPOF que coordenará o biênio 2017-2018. A chapa 2 foi eleita na quinta-feira, 20, para a nova diretoria da ANPOF, que tem como novo presidente o professor Adriano Correia Silva, da Universidade Federal de Goiás (UFG). Marcelo parabenizou veemente a maneira cordial e elegante pela qual o processo eleitoral foi conduzido e agradeceu aos membros de suas gestões e a todos que contribuíram com o seu trabalho.

Confira abaixo a nova gestão para biênio 2017-2018:

Adriano Correia Silva (UFG-GO) – Presidente
Antônio Edmilson Paschoal (UFPR-PR) – Secretário Geral
Suzana de Castro (UFRJ-RJ) – Secretária Adjunta
Agnaldo Portugal (UNB-DF) – Tesoureiro
Noéli Ramme (UERJ-RJ) – Tesoureira Adjunta
Luiz Felipe Sahd (UFC-CE) – Diretor de Comunicação
Cintia Vieira da Silva (UFOP-MG) – Diretora Editorial

Conselho fiscal:

Monica Layola Stival (UFSCAR-SP)
Jorge Viesenteiner (UFES-ES)
Eder Soares Santos (UEL-PR)

Por: Grace Carvalho (Monitora de Comunicação)
Profa. Michele Amorim Becker (Coordenadora da Monitoria de Comunicação da ANPOF)

FaLang translation system by Faboba