Entrevista com Gabriele Cornelli sobre a criação do novo programa de mestrado da UnB

 fevereiro de 2016

ANPOF - Quais as linhas de pesquisa do Programa e o que você diria que define a sua identidade?

CORNELLI: O Programa de Pós-Graduação em Metafísica se origina do trabalho desenvolvido há anos por diferentes grupos de pesquisa, em vários Departamentos e Programas de Pós-Graduação da Universidade de Brasília, por professores que, embora em sua grande maioria estejam vinculados à área de Filosofia, possuem formação e atuação inter, trans e multidisciplinar. Trata-se de um programa metodologicamente plural, que quer enfrentar o desafio da integração dos saberes para pensar as questões e problemas tradicionais da Metafísica enquanto fio condutor da História da Filosofia. Essa orientação não se faz de modo fortuito, mas na própria estrutura da pesquisa: não se pretende criar, em abstrato, um “lugar entre” as disciplinas, mas, partindo de um determinado campo de estudos, com o propósito de transcendê-lo. A ideia é portanto aquela de tomar o cerne metafísico do pensamento filosófico e abri-lo para a contribuição dos outros campos do saber. Assim, a natureza radicalmente metafísica do Programa se manifesta também na sua dimensão metodológica. Pela verdade, os problemas metafísicos, mesmo que implicitamente, já se encontram latentes nas diversas áreas de saber. A ideia é estudá-los em estreita conexão com estas mesmas áreas, apreendendo suas práticas teóricas e as tentativas de resposta aos problemas metafísicos que estas proporcionaram. Nossa proposta formativa é de permitir aos alunos de abordar as questões metafísicas na interação destas com os problemas humanos, Os projetos a serem desenvolvidos estarão, por isso, situados nas margens das áreas disciplinares tradicionalmente estabelecidas.”

Estamos especialmente orgulhosos do desenho institucional do Programa. O PPGμ se organiza em duas linhas de pesquisa: Origens do Pensamento Ocidental e Ontologias Contemporâneas. A estrutura do Programa prevê a articulação das duas Linhas de pesquisa – e dos Projetos a elas vinculados – através de dois Laboratórios: a Cátedra UNESCO Archai sobre as Origens do Pensamento Ocidental e o laboratório de Metafísica e Pensamento Contemporâneo. Estes são pensados como lugares de interação efetiva entre docentes, pesquisadores e discentes. Os laboratórios constituem-se assim em espaços de colaboração na pesquisa, de organização do Programa e de interação mais imediata dele com outras instituições, a começar pelas agências de fomento nacionais e internacionais.

ANPOF - A UnB tem agora um novo Programa de Mestrado em Metafísica aprovado pela CAPES. Quais as principais novidades que o Programa apresenta?

CORNELLI: A proposta do PPGμ recebeu a recomendação da Comissão de Área já em sua primeira submissão. Creio que por esta reconhecer de cara tratar-se de uma proposta ao mesmo tempo sólida e inovadora. Eu diria que é inovadora por, pelo menos, três motivos: 1) Trata-se de um Programa que propõe a interdisciplinaridade menos nos temas e problemas estudados, os quais consistem naqueles que perpassam a Metafísica na História da Filosofia, e mais nos métodos de investigação, visando combinar diferentes modelos de pesquisa. O Documento de área de 2013 projeta exatamente a interdisciplinaridade como “parte integrante da política de consolidação, desenvolvimento e expansão da área de Filosofia”; 2) Apesar de se tratar de uma proposta nova, o corpo docente é francamente maduro, uma vez que se constitui por 18 professores que, em conjunto, demonstram grande experiência em produção e orientação (com 114 PIBICs, 195 TCCs, 140 dissertações de mestrado, 45 teses de doutorado orientadas). Além disso, o corpo docente possui formação e atuação acadêmica em mais de uma área, fator decisivo para a proposta interdisciplinar; 3) O Programa se comprometeu desde o início com a internacionalização: 4 docentes do PPGμ atuam em universidades estrangeiras.

ANPOF - Como você vê o papel a ser desempenhado pelo Programa da UnB no contexto da consolidação da área no país e, em particular, no CO?

CORNELLI: O PPGμ olha em três direções diferentes e complementares: regional, nacional e internacional. Já mencionei acima a inserção da proposta do Programa nas linhas mestras de desenvolvimento da Pós-Graduação em Filosofia no País, indicadas pela CAPES e pela Comissão de Área. Esperamos poder contribuir com uma maior abertura interdisciplinar da área. Obviamente, a interdisciplinaridade já está presente em muitas linhas de pesquisa de PPGs em Filosofia no Brasil. Nossa estratégia é todavia trazer a abordagem interdisciplinar para o campo metodológico. Esta é nossa aposta maior em termos de contribuição para o País. Minha impressão é que a liderança nacional de muitos integrantes do PPGμ em suas respectivas áreas de pesquisa é garantia de solidez nesta proposta inovadora.

Nossos Laboratórios e Projetos possuem um histórico sólido e uma franca projeção internacional. O histórico de cooperação de nossos integrantes revela grande maturidade na área de cooperação internacional. A participação no PPGμ de docentes e discentes de outros países nos permitirá aprofundar ainda mais uma prática de cooperação, trazendo a experiência em formação pós-graduada de outros países.

Ao mesmo tempo em que o PPGμ olha para seu posicionamento internacional, não esquece a inserção regional. Esta é potencializada pela acolhida do PPGμ no interior da Rede CO3 (Rede Centro-Oeste de Pesquisa e Ensino em Arte, Cultura e Tecnologias Contemporâneas) que tem como base o reconhecimento da necessidade de colaboração interinstitucional entre PPGs do Centro-Oeste. Em termos de Pós-Graduação em Filosofia, a Região Centro-Oeste conta atualmente com apenas três Programas de Pós-Graduação na área de Filosofia da CAPES, o que corresponde, segundo o Documento de Área 2013 da Subcomissão Filosofia, a apenas 5% do número de Programas em Filosofia no Brasil. Dos três Programas da Região Centro-Oeste, em apenas um destes, na Universidade Federal de Goiás, há um Curso de Doutorado, o qual iniciou suas atividades em 2013. O Documento de Área 2013 reconhece essa carência regional ao estabelecer que, quanto à expansão da área de Filosofia no Brasil, a região Centro-Oeste, bem como a Região Norte, são “prioridades” (cf. p. 3). O PPGμ vem contribuir, portanto, para o crescimento da filosofia na região.

Enfim, a aposta numa matriz interdisciplinar está no âmago da Universidade de Brasília, desde sua fundação por Darcy Ribeiro. O PPGμ partilha assim orgulhosamente do projeto da UnB e de sua vocação inovadora.

INFORMAÇÕES SOBRE O PROGRAMA:
Nome completo do Coordenador e e-mail para contato:
Gabriele Cornelli
Professor Associado da Universidade de Brasília
Coordenador da Cátedra UNESCO Archai
Presidente da International Plato Society
metafisica@unb.br

Data prevista para o próximo processo seletivo e início das aulas:
Inscrições de 1 a 15 de fevereiro de 2015
Início das aulas: 7 de março de 2015
Está prevista uma segunda seleção para ingresso em agosto de 2016.

Lista de docentes que compõem o Programa:
PERMANENTES:
Delfim F. Leão (Universidade de Coimbra)
Evaldo Sampaio da Silva (UnB)
Gabriele Cornelli (UnB)
Gerson Brea (UnB)
Gianni Casertano (Università degli Studi di Napoli, Federico II)
Henrique Huelva Unternbäumen (UnB)
Loraine Oliveira (UnB)
Marcelo Carvalho (UNIFESP)
Marcus Mota (UnB)
Miroslav Milovic (UnB)
Paulo César Nascimento (UnB)
Pedro Gontijo (UnB)
Rodolfo Lopes (UnB)
Rogério da Silva Lima (UnB)
Wanderson Flor (UnB)
Wilton Barroso Filho (UnB)

COLABORADORES:
Dominique Flament (Université de Lorraine)
Seloua L. Boulbina (Université de Paris VII)

Mais informações:
www.metafisica.unb.br


FaLang translation system by Faboba