Entrevista com Jairo Dias Carvalho sobre a criação do GT Filosofia da Tecnologia e da Técnica

ANPOF: Quais os temas que o GT se propõe a debater?

JAIRO: O GT se propõe a debater o tema da tecnologia e da técnica do ponto de vista ético, político, estético, ontológico e epistemológico em interface interdisciplinar. As reflexões se articularão em dois níveis: 1) considerações sobre o sentido da atividade humana da técnica e da tecnologia; 2) considerações sobre o que a tecnologia faz enquanto atividade e enquanto produto. Os temas se referem às abordagens da história da filosofia sobre a técnica e a tecnologia; às análises dos objetos técnicos dos mais variados tipos como os organismos geneticamente modificados, a inteligência artificial, os dispositivos nano tecnológicos, os organismos cibernéticos e outros, além das implicações multidimensionais das tecnociências. Outros temas são: a diferença entre técnica e tecnologia, o estatuto de realidade dos objetos técnicos e suas relações com os processos de subjetivação, além dos temas acerca do conjunto de objetos, atividades e procedimentos envolvidos na atividade tecnológica, do ser dos artefatos, sobre a sua naturalidade e artificialidade, sobre sua dinâmica utópica, seu potencial político, sua presença na literatura, suas promessas, seus êxitos, seus riscos, seu controle e sua autonomia, sua neutralidade e seu destino determinista; além de temas relacionados à análise de objetos técnicos determinados, ao problema do design, da tecnoestética e da regulação, bem como às suas relações com a economia, a política e a cultura.

 

ANPOF: Com qual objetivo foi criado o GT?

JAIRO: O GT Filosofia da Tecnologia e da Técnica foi criado para ser uma rede de pesquisa com diferentes perspectivas sobre as temáticas da tecnologia, da técnica e das tecnociências no âmbito da ANPOF para que as diferentes narrativas acerca destes temas possam ser expressas de maneira mais orgânica e de alcance nacional promovendo uma sinergia entre grupos de pesquisa e projetos individuais com competências complementares, potencializando a capacidade de produção de reflexões críticas sobre a natureza das tecnologias e a discussão das diversas abordagens filosóficas acerca da técnica e da tecnologia, e mesmo versar sobre a diferença entre elas. O objetivo é atualizar a agenda filosófica brasileira, que até o momento tem realizado pesquisas isoladas sobre o tema em diferentes pontos do país e fora do espaço da ANPOF. O GT foi criado também para ser um espaço adequadoem âmbito nacionalpara o debate e amadurecimento das próprias ideias filosóficas, buscando desenvolver uma concepção adequada à própria tecnologia, e um ambiente para a ampliação das referências bibliográficas por meio da publicação de livros, artigos e traduções. Tal espaço constituirá em médio prazo uma sociedade científica nacional, ampliando a agenda, os atores e os foros de discussão. O GT foi criado também para promover a mudança do modo como a maioria dos filósofos vê tradicionalmente a tecnologia, como um objeto de segunda classe ou coisa de engenheiro.

ANPOF: Quem são os/as pesquisadores/as envolvidos nesse projeto?
JAIRO: Pesquisadores envolvidos em ordem alfabética. Vale ressaltar que há muitos pós-doutores no grupo, professores de outros países, além de doutores, doutorandos e mestrandos e membros de programas de pós graduação bem consolidados no Brasil e de programas em consolidação.
Alberto Cupani-UFSC
Alberto Oliva-UFRJ
Alisson Soares-UFMG
Anor Sganzerla-Bioética PUCPR
Bruno Vasconcelos de Almeira-PUCMG
Carlos Alexandre Ratton-UFMG
Celso Candido de Azambuja-UNISINOS
Cristiano Cordeiro Cruz-USP
Daniela Silveira Rozados-USP
Diego Lawler- CONICET-Argentina
Eladio Craia-PUCPR
Gabriel Valim Alcoba Ruiz-UFABC
Geovanni Viola Moreto-PUCPR
Gérson Albuquerque de Araújo Neto-UFPI
Gilmar Szczepanik-UNICENTRO-PR
Gustavo Caponi-UFSC
Helder Buenos Aires-UFPI
Hugh Lacey- Swarthmore College- Pennsylvania-EUA
Ivan Domingues-UFMG
Jairo Dias Carvalho-UFU
Jelson Oliveira-PUCPR
José Ricardo Barbosa Dias-UFPI
Lilian Simone Godoy Fonseca- UFVJM
Pablo Mariconda-USP
Paulo Vieira Neto-UFPR
Paulo Sérgio Guimarães-PUCPR
Rafael Cordeiro Silva-UFU
Renato Knouchi-UFABC
Simeão Sass-UFMG
Thiago Vasconcellos-PUCPR
Wendell Lopes-UFMT
Juri Castelfranchi-UFMG

 

ANPOF: Como o grupo concebe sua participação no XVII Encontro Nacional da ANPOF?
 
 
JAIRO: O GT em termos teóricos e acadêmicos quer participar como ator central no debate de um tema filosófico urgente e na articulação com outras áreas tradicionais da filosofia. No primeiro caso a partir de reunião e discussão interna das pesquisas em andamento e no segundo através de reunião no encontro da ANPOF, com outros pesquisadores de outras áreas. O GT pretende se inserir como um grupo regular, permanente e com o mesmo espaço e atribuições que os demais grupos já existentes. O GT pretende dar expressão nacional a atividades que já estão em pleno funcionamento no âmbito do grupo de pesquisadores que participam dele. O evento da ANPOF servirá para dar amplitude e organização nacional ao escopo das atividades já desenvolvidas.
FaLang translation system by Faboba