A experiência de “identidade” e “não-contradição” como condições hermenêuticas em ser e tempo Show all records where Título is equal to A experiência  de “identidade” e “não-contradição” como condições hermenêuticas em ser e tempo
Christiane Costa de Matos Fernandes Show all records where Autor is equal to Christiane Costa de Matos Fernandes
UFRJ/PPGF Show all records where Instituição is equal to UFRJ/PPGF

A análise do discurso (die rede) é apresentada por Heidegger no §34 de ser e tempo e revela que o fundamento da linguagem está remetido a abertura primária de sentido. O discurso, como retradução do lógos grego, é a articulação da abertura de sentido, sem ele o todo não poderia ser decomposto e a totalidade seria apenas um todo indistinto. Nesse sentido que o discurso fundamenta a interpretação (auslegung) e a enunciação (aussage). A articulação prévia do campo de sentido realizada pelo discurso faz com que cada ente possa ser visto como um “isto”. Articulação que possibilita a interpretação de "algo como algo" e consequentemente anterior ao enunciado predicativo. Assim, o caráter ontológico dessa articulação, sempre dada a nós em um mundo já descerrado, em que pode-se travar atividades práticas com os entes, e em última instância falar (sprechen) sobre os entes, é dado pelo discurso (die rede) compreendido como sendo o significado fundamental de λόγοσ. A plurivocidade do ente na tradição lógica está assentada nas possibilidades semânticas submetidas a um princípio lógico fundamental: o princípio de não contradição, vinculado ao princípio de identidade. Pensamos que o que Heidegger põe em tela é que a “identidade” e a “não-contradição” não são princípios lógicos, mas condições hermenêuticas de manifestação dos entes em seu ser.

Heidegger Buscar Grupo igual a Heidegger
Dia 25 | Quinta | Sala 7|09:00-09:30
IC 3
25/10/2018
FaLang translation system by Faboba