Coluna ANPOF

A Filosofia é Mais um Exercício do que um Conteúdo (1)

Ernst Tugendhat (2)

Participei de uma tentativa de discutir o problema de como ensinar filosofia, no encontro nacional da Anpof, em Caxambu, Minas Gerais, anos atrás. Eu havia tido uma experiência relativamente ruim com o ensino da filosofia na Universidade Federal de Goiás, em Goiânia, onde estive trabalhando por algum tempo. Meu amigo Prof. Adriano Naves (da UFG) achou que poderíamos falar sobre o assunto naquela Anpof, e meu amigo Prof. José Crisóstomo de Souza (da UFBA), que esteve presente participando da discussão, pensou que seria bom falar agora outra vez sobre isso, aqui na Bahia. Ele tem razão, porque é verdadeiramente um tema muito importante e que merece mesmo ser retomado. Não creio, porém, que eu seja tão sábio nessas coisas, nem tenho idéias, sobre esse assunto, que me satisfaçam inteiramente a mim mesmo. Estou aposentado faz nove anos, e antes disso me ocupei muito da reforma universitária da Alemanha - com pouco êxito, mas me ocupei. Bom, eu não devo falar muito; quero então começar com algumas coisas gerais, alguns princípios, e depois talvez dizer duas ou três coisas sobre a minha experiência.

Se quero perguntar como se deve ensinar filosofia, tenho que começar com um conceito: O que é a filosofia? Vou dizer simplesmente que penso que, em tudo o que se faz em filosofia, em todo o percurso histórico da filosofia, pode-se dizer que é muito importante, é central na minha opinião, a aclaração de conceitos. Penso que a filosofia consiste na aclaração de conceitos centrais de nosso entendimento. Isso significa que o que se deve aprender em filosofia não são informações, mas é antes uma ação. O aluno tem que aprender uma ação. Em que consiste esta ação? Numa boa aclaração e numa boa argumentação - são essas duas coisas, eu pensaria. Creio que existe uma frase de Kant que diz que o que se pode aprender não é filosofia, mas é filosofar. E isso é dizer a mesma coisa, isto é, dizer que se trata de uma ação. Significa que o que se aprende em filosofia não é uma doutrina, mas uma “arte” - arte no sentido amplo, naturalmente. Creio que isso implica em duas coisas. Primeiro, precisa-se – pode-se dizer - do mestre. O mestre é um pouco mais do que um professor, o mestre é uma pessoa que conhece a arte. Bom, isso já é o primeiro problema, porque... como fazer com que os mestres sejam bons mestres? Isso é um círculo, naturalmente. A segunda coisa é o que tem que fazer esse mestre. Ele naturalmente deve, sim, transmitir também informações, mas em primeiro lugar deve ajudar os alunos a essa ação em que consiste o filosofar. Então, como pode fazer isto?

Temos uma grande literatura em filosofia: tanto o que chamamos de tradição filosófica, os grandes autores, como também temos uma grande literatura contemporânea. Isso cria um problema naturalmente: onde devemos colocar a ênfase, na literatura contemporânea ou nos grandes filósofos? Penso que a ênfase deve estar em ambas as coisas. O que conduz ao problema do currículo: o que é um bom currículo? Por exemplo, eu já disse que em Goiânia tive uma experiência má. Uma parte dessa má experiência consistiu em que, na graduação, nos primeiros dois anos, os estudantes só faziam filosofia antiga. Não faziam nada de filosofia moderna nem de filosofia contemporânea. Eu pensei: Isso é uma coisa terrível, afinal que aprende esse aluno? Como podem os estudantes confrontar-se construtivamente com a filosofia antiga, se não conhecem os problemas que se põem hoje? Creio, então, que ter um bom currículo é um problema muito grande, mas entendo que o currículo deve ser logo de saída uma mistura do ensinamento histórico com algo mais do que isso. Creio que a filosofia grega é muito importante, mas não deve ser o único começo. Devemos ter ensinamentos históricos e devemos ter já no começo o ensinamento da filosofia do nosso tempo.

Agora, não devemos esquecer que todo esse tratamento da filosofia histórica e da filosofia contemporânea é só um instrumento para aprendermos, nós mesmos, a pensar. Os estudantes mesmos. E os professores, os mestres e os estudantes são mais ou menos a mesma coisa, todos devem fazer mais ou menos a mesma coisa. É o mesmo que em qualquer arte. Um professor de violino também ele aprende a tocar e ajuda os outros a tocarem, e isso é um certo círculo inevitável. Vocês tiveram, na América Latina, um tempo em que a filosofia consistia na doutrina escolástica. E depois, agora, há uma possibilidade de, em vez de escolástica, aprender o que se chama de “os grandes filósofos”, seu pensamento. Mas isso por si não é ainda tão importante. Agora vem um ponto, talvez contido na palavra arte, que é que, quando nós nos ocupamos dos outros filósofos, não devemos estar interessados em aprender o seu sistema em si - isso não tem nenhum interesse. E por que não? Por que o filosofar é uma arte. Mas em que consiste tal arte? Consiste na pergunta pela verdade, pela verdade em relação à aclaração de conceitos. Isso significa que também a maneira – a única maneira - de ocupar-se dos grandes filósofos é perguntar sempre: Têm razão ou não, é verdade o que dizem ou não? E, em geral, acho eu, não é verdade o que eles dizem. Eu tenho grandes dificuldades quando vou dar um curso e devo escolher um autor, porque sei que a única coisa que vou poder fazer é explicar por que ele está errado nisso, errado naquilo. E é isso o que os estudantes têm que aprender...

Naturalmente, nisso há perigos também. Um perigo é simplesmente pensar que o filosofo é “a” autoridade, mas quero me referir ao outro perigo, que é começar com a critica (de determinado filósofo) cedo demais. Quer dizer, criticar um filósofo sem antes procurr entendê-lo. E nisso – nesses perigos – reflete-se uma parte do que chamei de arte, pois não se podem dar regras gerais para o trabalho da filosofia. Por isso é que, sem o mestre, creio que é muito difícil aprender o que quer que seja em filosofia. Naturalmente, de qualquer ciência também se poderia dizer que é uma arte. Mas a quantidade de informação que há, por exemplo, numa ciência com a biologia, é muito grande. O biólogo que vai aprender a ser biólogo também tem que aprender uma arte: como fazer biologia. Mas a quantidade de informação aí é muito grande, enquanto que em filosofia ela é muito pequena, quase inexistente. Vocês talvez já tenham visto que tem gente que crê que pode filosofar assim, com uma grande quantidade de informações da história da filosofia, sobre aquilo que disseram os filósofos. Em geral, isso não é muito recomendável. O que se tem feito em filosofia nesses dois mil ou mais anos tem um certo sentido, mas entendo que a maior parte está errada. E, se não nos confrontarmos com esses erros, não vamos chegar a nada nós mesmos.

Na América Latina, naturalmente, existe um problema “externo”, que consiste em que - que eu saiba - não existem bibliotecas realmente boas. Isso, sim, é uma razão por que na América Latina se tem hoje uma tendência muito forte a concentrar-se nos grandes textos da história da filosofia. É que o outro lado não existe; temos os grandes textos, mas não temos as revistas, especialmente revistas importantes de língua inglesa. Então fica muito difícil preparar uma aula, por exemplo, sobre o problema da liberdade da vontade, ou, simplesmente, sobre a discussão de ética de hoje. Como se vai fazer isso se primeiro não temos - o que se tem muito na literatura de língua inglesa - boas coleções de importantes ensaios e as revistas importantes?

Suponho que hoje sou uma pessoa completamente antiquada e não conheço bem a Internet. Ainda assim, segundo o que sei, pode-se agora, com um bom professor (e agora vou dizer
simplesmente professor e não mestre), fazer um bom seminário, por exemplo, sobre o tema da liberdade da vontade. O professor não precisa necessariamente estudar o que Kant, por exemplo, disse, ou o que disse Agostinho. Há uma literatura grande hoje. Ele pode, com a Internet, suponho, conseguir coisas importantes, imprimir essas coisas, e, então, os estudantes vão ter os ensaios importantes. É ruim pensar que isso é muito difícil de fazer, e que por isso vamos estudar somente o que Kant disse sobre a liberdade, quando isso não adianta. Então, esse problema com as bibliotecas me parece que é um problema real. Mas já não digo o que disse faz dez anos, quando falei sobre o mesmo problema na Colômbia: Por favor, façam pressão sobre os políticos para que em cada país haja pelo menos uma boa biblioteca. Essa causa no momento está perdida. Mas creio que com a Internet se pode fazer muito.

Bom, qual é a minha experiência? Comecei na graduação, nos Estados Unidos, e depois fui para a Alemanha, para a pós-graduação, onde fiquei por quarenta anos como professor. Quando eu tinha trinta e cinco anos de idade, tive a sorte de ser convidado para uma boa universidade norte-americana, a Universidade de Michigan. Fiquei muito bem impressionado, tanto com a filosofia analítica que se estava fazendo ali, como também com o sistema de ensino utilizado. Desde então, devo dizer, sou fã do sistema norte-americano de ensino de filosofia. Impressionei-me também favoravelmente com o ensino de filosofia em Oxford e em Cambridge, na Inglaterra. Por outro lado, acho que o sistema alemão é ainda essencialmente ruim, e isso resulta num prejuízo em toda a América Latina, onde se pensa que todo filósofo deve ir mesmo é para Alemanha e só para a Alemanha. E isso por pura falta de informação, em parte decorrente do fato de que muitos professores de filosofia, na América Latina, foram educados na Alemanha ou na França, e por isso pensam que se tem sempre de ir a Alemanha ou França. Entendo que devem antes ir aos Estados Unidos. Digo que sou um fã do ensino norte-americano da filosofia, mas não sou um fã extremo. Também os Estados Unidos não são a solução última dos problemas nesse terreno. Não sei suficientemente como é aqui em Salvador, na UFBa, mas, por exemplo, em Goiânia, na Universidade Federal de Goiânia, o sistema se mostra muito pouco livre. Nos EUA, há uma certa liberdade. E por que se deve ter uma certa liberdade? Parece-me evidente: Porque se pode dizer que em filosofia certas coisas são importantes, mas tem muito pouco que se pode dizer que é necessário. Nesse ponto, a filosofia é muito diferente das ciências; nela, de nada se pode dizer decididamente que é necessário, e isso significa que o estudante deve ter liberdade de escolher.

Agora vejo que não falei de uma outra coisa importantíssima: a necessidade de que o estudante comece a escrever muito cedo - que comece imediatamente, eu deveria dizer. No primeiro ano da graduação, o estudante deve escrever, e o professor deve, não somente dar uma nota, mas explicar ao estudante (se o professor é um mestre, e ele deve ser um mestre) o que ele deve corrigir e melhorar. Porque tudo o que se faz, em geral, é ler, tanto os grandes filósofos do passado, como os filósofos contemporâneos, somente porque eles são exemplos de pensar. Ora, para poder ter esse exemplo, tem-se que fazer a mesma coisa que eles, e para isso não é suficiente estar numa aula e fazer as perguntas. É preciso escrever. Isso me leva ao caso de Oxford, Inglaterra, onde há um sistema muito extremo, talvez exagerado, mas muito interessante. Lá, praticamente não se tem aula - em Cambridge tampouco. O estudante vai sozinho ao professor, uma hora por semana, e o professor lhe dá a literatura sobre um tema. O estudante tem então que escrever um ensaio numa semana. E assim segue por todo o estudo. O que é muito duro, muito pesado. Eu fiquei tão impressionado quando estive lá, em Oxford, que introduzi, em Heidelberg, na Alemanha, onde era professor na época, o que chamamos de “tutores oxfordianos”. Mas oferecemos isso como opção; ninguém em Heidelberg teve que fazê-lo por obrigação. Por exemplo, fiz o seguinte: formei grupos de cinco ou seis estudantes, comigo, e ficávamos juntos discutindo, por uma ou duas horas, um ensaio de um filósofo. Poderia também ser um texto de um grande filósofo - isso não importa. Para a semana seguinte, cada um desses cinco ou seis estudantes tinha que escrever um ensaio, e eu me encontrava com cada um, por uma hora, para discuti-lo. Isso é uma coisa muito pesada, tanto para o professor como para o estudante, e talvez seja um sistema extremo, mas mostra a grande importância de produzir desde o começo. E a produção consiste, não em fazer perguntas, mas primeiro em escrever. Naturalmente, não se trata de escrever de qualquer maneira, e por isso precisamos do mestre. Isso é uma conseqüência do fato de que a filosofia é uma arte. Mas, assim, talvez, escrevendo cedo, desde o primeiro ano, o estudante depois não vá ter tantas dificuldades na hora de escrever uma tese, porque já conhece um pouco como se tem que fazer a coisa.

Agora, talvez, em muitas universidades e departamentos, caiba perguntar-se em que grau insistir sobre os grandes filósofos, e em que grau insistir sobre problemas, tratar dos problemas em relação com os ensaios contemporâneos. Creio que, na América Latina, o déficit está do lado dos ensaios contemporâneos, e se deveria fazer um esforço para considerar mais isso. Mas eu disse no começo que considero que a filosofia é aclaração de conceitos centrais do nosso entendimento. E aqui temos um certo perigo de simplesmente esclarecer quaisquer conceitos que não sejam centrais. Por isso também falo da compartimentalização da filosofia anglo-saxônica (norte-americana e britânica) como de
um certo perigo. Por isso creio que é importante também confrontar-se com alguns grandes filósofos do passado. Mas isso evitando uma idéia que têm alguns, especialmente alguns principiantes no estudo da filosofia... Me lembro que eu mesmo pensei isso quando comecei a estudar, pensei que se tinha que aprender “a história da filosofia”. Até que, depois de algum tempo, entendi que as lacunas que se tem no conhecimento do conjunto de todos os filósofos são inevitavelmente tão grandes. Temos que estar dispostos a admitir que cada um de nós tem grandes lacunas nesse conhecimento, e que isso não é importante. Importante é poder pensar sobre certas coisas, e também entender que sobre outras coisas não temos conhecimento, não sabemos tanto. De qualquer maneira, a idéia, equivocada, que talvez exista ainda no Brasil, e que certamente tivemos na Alemanha no tempo em que estudei, é de “compreender o desenvolvimento da filosofia ocidental”. Isso, porém, não é tão interessante, porque a filosofia ocidental não constitui um todo, não é uma coisa, não é “algo”. Creio que se pode muito bem fazer filosofia ainda que não se conheçam muitos dos filósofos mais importantes.

___________________________________________________________

(1) O título não foi dado pelo autor mas corresponde à tese central do texto, que transcreve uma parte de sua fala de 2001, na UFBA, para o Grupo de Pesquisa Poética Pragmática, publicada na íntegra em Souza, J. C. de. A Filosofia entre Nós, Ijuí: Ed. Unijuí, 2005, junto com uma breve nota biográfica sobre ele.
(2) Ernst Tugendhat, um dos mais importantes filósofos do nosso tempo, nascido em 1930, ensinou a maior parte da carreira na Alemanha, mas também, por algum tempo, no Brasil, onde, entre seus colegas brasileiros, deixou vários amigos e admiradores de seu trabalho.

FaLang translation system by Faboba

Todos os Posts