MONISMO ANÔMALO, FISICALISMO, CAUSALIDADE MENTAL

vol. 17, n. 2 (2012) Ética e filosofia analítica • Philósophos: Revista de Filosofia - Revista UFG

Autor: Andrea Schimmenti

Resumo:

Referindo-se a alguns aspectos do debate entre Donald Davidson e Jaegwon Kim acerca do problema da eficácia causal do mental no mundo físico, este artigo visa focalizar um ponto de tensão que parece surgir no âmbito do fisicalismo não reducionista davidsoniano, cuja expressão mais conhecida é a tese do monismo anômalo, que pretende conciliar duas alegações dificilmente conciliáveis no âmbito de uma tese fisicalista. São estas, a alegação da anomalia do mental, que afirma a autonomia do mental do sistema das leis que governam os fenômenos físicos, e a alegação de que os eventos mentais e as ações humanas fazem parte do fluxo causal dos eventos da natureza. O Monismo Anômalo parece ser uma tese epifenomenalista, pois, no Monismo Anômalo, a alegação da anomalia do mental exclui que o mental possa ter uma eficácia causal.

ISSN: 1982-2928

DOI: https://doi.org/10.5216/phi.v17i2.17076

Texto Completo: https://www.revistas.ufg.br/philosophos/article/view/17076/13572

Palavras-Chave: mente; fisicalismo; causalidade mental; monis

Philósophos: Revista de Filosofia - Revista UFG

A Revista Philósophos publicou seu primeiro exemplar em 1996. Desde então temos tido como objetivo publicar material bibliográfico inédito e argumentativo na área de filosofia e promover o debate filosófico. Os trabalhos publicados pela Philósophos são sempre de autores dedicados a Pesquisa em Filosofia e que sejam doutores ou doutorandos nessa área no Brasil e no exterior. A publicação é semestral, sob a responsabilidade da Faculdade de Filosofia (FAFIL) e do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Federal de Goiás.